BEGIN TYPING YOUR SEARCH ABOVE AND PRESS RETURN TO SEARCH. PRESS ESC TO CANCEL

microsegundo

 

-Tu, não sabe nada. – Falou o velho branco, privilegiado desde sempre, em meio ao burburinho das outras conversas ressoantes e tumultuadas na cozinha.
Ele falou. E falou baixo e rápido demais.
Falou entre dentes para mim e de forma imperceptível a todos. Num lapso de murmúrio. Emitindo pela língua o pensamento que escapuliu através dos lábios grogues pela bebida e cigarro impregnados em seu cérebro.
Falou e achou que eu não o tivesse escutado. Então, seguiu sorvendo seu vinho, fumando e fumando; navegando entre o burburinho de vozes, risadas e fumaça de cigarro.
Eu não tive a certeza de tê-lo escutado falar. Fiquei meio entorpecida e meio eufórica pelas falas ressoantes e pelo meu pensamento em fluxo; estimulado pelos temas das conversas, em meio às risadas.
Mas eu havia escutado. Ele havia falado. Meu inconsciente não pôde afogar aquilo. E essa sua fala ficou ecoando e incomodando através dos dias. Porque eu sabia o porquê dela. Eu sabia exatamente porque ele a emitiu…
Essa sentença, murmurada disfarçadamente, trouxe em si mesma um arcabouço antigo, mas já conhecido por mim. Ela recendeu, por um microssegundo, a um ódio misógino e a um racismo que, embora sutis, sempre foram persistentes dentro de nosso convívio.
Ódio misógino e racismo insinuados por silêncios condescendentes; repuxos impacientes do canto direito da sua boca; por olhares apiedados e por seus falares ácidos, ao longo de todos esses anos. Também pela insatisfação, sempre manifesta por ele, ao cabelo azul de minha menina amada e pela reprovação debochada, de sua parte, aos dreadlocks de meu querido e jovem Xangô. Aquele que ama e ousa ser negro, ao contrário de tudo o que ele almejava.
Não. Eu não sei nada. Mas eu sou alguém.
Eu sou a pessoa que está disposta a ouvir, a aprender e a compartilhar. A pessoa que nunca pretendeu assenhorear-se de conhecimento, como quem se declara dono de um latifúndio exclusivo, egoísta e arrogante.
Eu sou a pessoa que tem aprendido coisas recentemente. Coisas de minha história afro- indígena brasileira, coisas de histórias das mulheres, coisas da história negra e da Afrika. Coisas da ciência física e da astronomia que, embora não representem algo novo; para mim são novos territórios, novos desbravamentos e me dão o prazer de me fascinar com o mundo e comigo mesma.
Talvez isso seja perturbador e suscite desprezo da parte de quem nunca foi habituado à fala segura e crítica vinda de uma mulher negra. A quem sempre foi habituado a infantilizar as mulheres e a classificá-las, segundo um ranking nojento; entre burras, dóceis, feias, bonitas, magras, gordas, loucas, subversivas, jovens ou velhas.
Talvez a presença dominante de uma mulher negra seja perturbadora para quem sempre se julgou protagonista de uma história do “mundo”. De uma história consagrada, correta, certa, implacável, determinante, branca, masculina e única.
Eu não quero me apropriar de conhecimento e nem fechá-lo dentro de um círculo exclusivo, determinado por quem tem pele pálida, patrimônio e um pênis.
Não me interesso por ser apontada como a sumidade, a inteligente categorizada com o QI mais elevado; nem com os títulos acadêmicos; nem com os prêmios.
Não quero a bajulação de um segmento que roubou o conhecimento do meu e de outros povos. E que, ainda por cima, conspirou para o apagamento e para a destruição de culturas e línguas. Destruição de modos absolutamente mágicos de construir o pensamento artístico e religioso.
Não quero dar trela para quem conduziu o apagamento e a destruição de cosmovisões riquíssimas ancestrais, geradas no sagrado território do berço da humanidade.
Não. Não quero a aprovação e nem quero ser laureada através dos valores dos genocidas eternizados nos monumentos e nas estátuas equestres que eles santificaram.
Quero sim escutar a voz das Mulheres da Via Campesina, das Yiás e Yiabás como a Mãe Vera Soares. Quero ler e quero alfabetizar. Quero acolher, caminhar, proteger, admirar a beleza e as cores.
Sei que nada sei e fiquei conjecturando: O que ele sabe? O que ele SEMPRE soube e escondeu?
Esta última, uma pergunta capciosa…
E em que esse seu conhecimento todo auxiliou para melhorar a vida emocional dos seus filhos e filha?
Em que momento o conhecimento dele libertou um sonho, pediu perdão, lastreou alicerces para construir cidadania e valores para além do seu círculo de pessoas de bem tão misóginas, racistas e homofóbicas quanto ele?
O que ele sabe de mim, de minha vida e preocupações? O que ele sabe de nossas lutas ou da força que nos move?
O que ele sabe?
Rotular pessoas? Julgar as boas ou as más mães? Apontar fraquezas dos outros, como se sua vida fosse um perfeito exemplo de ótima conduta e plena de realizações?
Ele sabe muito bem e isso já testemunhei; humilhar pessoas quando lhe pedem ajuda por desconhecer um termo ou uma palavra mais rebuscada ou quando recorrem a ele buscando aconselhamento sobre o melhor modo de realizar um pequeno concerto doméstico.
Sabe ser arrogante e debochado, a ponto de não aceitar uma informação que desconhecia, porque era EU quem a estava lhe trazendo, aprendida por mim através de uma mulher nordestina. Informação que eu sabia perfeitamente que ele não buscaria confirmar, se eu não tivesse atenção em dizer que sua fonte era um homem alemão, o marido desta mesma mulher…

É. Deve ser difícil olhar à volta e perceber que seu parâmetro para o que define riqueza e sucesso; não define mais nada. Que importa cada vez menos na cabeça de quem faz o mundo no agora. Que o seu legado de intolerância, homofobia, racismo e misoginia interessam cada vez menos. É cada vez mais silenciado. Evitado. Que causa vergonha alheia.

Estou cansada desse tipo de jogo que se funda em estereótipos para valorizar ou desvalorizar seres humanos. Cansada das pessoas dessa cidade, a maioria delas parasitárias, arrogantes e achando que merecem mais do que os outros, porque se julgam melhores do que os outros, baseadas em critérios desse tipo.
Não sei nada. Mas estou aprendendo a viver melhor. Não porque eu precise da aprovação ou do respeito de pessoas como ele. Não mais. Mas porque acredito, cada vez mais, que conhecimento e vida são movimento e compartilhamento. Coletividade; microcosmo, imensidão.
Pronto. Falei.

por Angela Maria Lopes Kerber

Sou a Camila Souza. Estudante de Direito, ex estudante de Letras, professora de inglês e literatura, sagitariana e tomo chá mesmo no verão.

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked